class="post-template-default single single-post postid-13497 single-format-standard wp-custom-logo blog-post header-layout-default">

Dom Walmor Oliveira de Azevedo(*)

Foto de dom Walmor em seu primeiro discurso como presidente da CNBB

Dom Walmor faz seu primeiro discurso como presidente da
CNBB (Foto: Daniel Flores/CNBB


Investir no surgimento de qualificadas lideranças e fomentar a insubstituível participação cidadã constituem caminhos para devolver a credibilidade à política. Particularmente, é preciso dedicar especial atenção às escolhas dos nomes que ocuparão cargos nas instâncias do poder, de modo que os eleitos se notabilizem pela qualificação humana, técnica e por cultivarem envergadura moral. Os descompassados cenários políticos da sociedade brasileira têm incalculável responsabilidade na configuração do descrédito que cidadãos nutrem por seus representantes. Por isso mesmo, demanda-se investimento educativo para recuperar a credibilidade dos representantes do povo. Um investimento emoldurado por duas perspectivas que se relacionam: a necessidade da política e a política necessária.

A população precisa alcançar clarividências urgentes quanto à relação existente entre a participação política, consciente de seus processos, e a capacitação para a escolha de nomes. Além disso, deve acompanhar e avaliar, por meio dos mecanismos e instâncias existentes, os trabalhos de seus representantes, nas esferas municipal, estadual e federal. Exercendo a sua liberdade no contexto democrático, o cidadão precisa se posicionar sobre o desempenho das autoridades eleitas. Percebe-se, dessa forma, que a necessidade da política e a política necessária configuram uma via para impulsionar conquistas urgentes. Essas conquistas dependem da superação de desmandos, dos interesses cartoriais ligados a pequenos grupos, sacrificando a maior parte da população com o agravamento da desigualdade social e com a desconsideração dos direitos humanos. A população não pode continuar vulnerável à força bem articulada de discursos demagógicos, repletos de afirmações mentirosas, que ocultam práticas contrárias às promessas anunciadas. Esses discursos, na contramão do que determina a Constituição Federal, somente servem para enriquecer poucos, aumentando a exclusão social.

É urgente superar os distanciamentos, de variados tipos, do mundo da política. Eleições, a exemplo das que ocorrem neste ano, nos municípios, representam uma oportunidade para renovar o interesse pela política e, assim, qualificar os processos de discernimento cidadão. Esses processos, que levarão à escolha de candidatos, devem alicerçar-se em critérios adequados e assertivos, para além de simpatias partidárias ou amizades pessoais. Não se pode confiar a aventureiros, sem qualquer qualificação humanística, os rumos de municípios, estados e nação. Para se prevenir desse mal, é preciso se dedicar a um exercício simples, mas muito significativo: a partir do diálogo no contexto da comunidade, do interesse para se informar sobre candidaturas, aperfeiçoar critérios e juízos que serão “pente fino” na seleção dos nomes a serem assinalados nas urnas. Esse compromisso cidadão com o voto criterioso e consciente é insubstituível.

Seja, pois, avaliada a trajetória de candidatos, seus pensamentos e seus apoiadores. Importante dedicar atenção se as propostas e trajetórias de vida são coerentes com demandas relacionadas ao cuidado com a Casa Comum, o meio ambiente, a educação, a saúde e com o combate imediato das desigualdades sociais. Não basta cumprir o dever cívico e cidadão de votar. O voto é um ato de liberdade e de corresponsabilidade. O voto precisa ser pautado por critérios de uma política necessária, como sublinha o Papa Francisco na Carta Encíclica Fratelli Tutti: “A política não deve submeter-se à economia, e esta não deve submeter-se aos ditames e ao paradigma eficientista da tecnocracia”.

O Papa Francisco explica que, embora se deva rejeitar o mau uso do poder, a corrupção, a falta de respeito às leis e a ineficiência, “não se pode justificar uma economia sem política, porque seria incapaz de promover outra lógica para governar os vários aspetos da crise atual”. Ao invés de condenar a política, em razão de seu quadro de descrédito, o cidadão precisa revitalizá-la. Para isso, evitar a escolha de aventureiros, isto é, nomes que não terão capacidade para ajudar na superação de crises, com respostas lúcidas e transformadoras. É hora de avaliar e identificar os tipos e as tantas formas de mesquinharia na política, fixadas no interesse imediato. Evitar os políticos que prometem e não cumprem justamente por lhes faltar capacidade para representar o povo.

Governantes incompetentes e cidadãos sem formação política são ingredientes para projetar líderes que se pautam nas migalhas dos favores e favorecimentos – jamais no qualificado exercício do poder. Escolher representantes em troca de migalhas é sinal de atraso – um incentivo ao uso da máquina pública para alavancar popularidades. O Papa Francisco adverte que graves carências estruturais não se resolvem com remendos ou soluções rápidas, meramente ocasionais. Nesse sentido, auxílios emergenciais, importantes e indispensáveis para socorrer os pobres, no contexto de crises humanitárias, não podem constituir único critério para avaliar desempenho político. Há aspectos que devem ser mudados com reajustamentos profundos e transformações importantes, conforme bem diz o Papa Francisco. Uma política que envolva os mais diversos setores sociais, as instâncias do conhecimento, cidadãos conscientes e representantes comprometidos com o bem comum: eis a política necessária.

* Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte;
Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)

Outros artigos do autor:

Artigo: Diálogo, o compromisso

Dom Walmor Oliveira de Azevedo* “Fraternidade e diálogo, compromisso de amor”, tema da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2021 (CFE-2021), desafio ...
Leia Mais

Artigo: Um século de missão e fé

Dom Walmor Oliveira de Azevedo* A jovem Igreja, Arquidiocese de Belo Horizonte, celebra um século de missão e fé. O ...
Leia Mais

Artigo: Curar o tecido interior

Dom Walmor Oliveira de Azevedo* A sociedade, cotidianamente, se contamina por polêmicas, que geram enorme desgaste emocional e desperdício de ...
Leia Mais

Artigo: Sábios e loucos

Dom Walmor Oliveira de Azevedo* A sabedoria proverbial popular traz referência muito adequada para reflexões sobre o momento atual quando ...
Leia Mais

Artigo: Saber cuidar

Dom Walmor Oliveira de Azevedo* O Papa Francisco, em sua mensagem dedicada ao Dia Mundial da Paz, faz importante indicação ...
Leia Mais

Artigo: Vulnerabilidade e força

Dom Walmor Oliveira de Azevedo* Aproxima-se o Natal, um Natal diferente, que será vivido em circunstância singular, pois o mundo, ...
Leia Mais

Artigo: Eleições e cidadania

Dom Walmor Oliveira de Azevedo* O Papa Francisco, na Carta Encíclica Fratelli Tutti, fala da “política melhor” – a que ...
Leia Mais

Artigo: O voto nas eleições

Dom Walmor Oliveira de Azevedo(*) O sentido da democracia e a responsabilidade individual na definição do voto, na liberdade de ...
Leia Mais

Artigo: ‘A política necessária’

Dom Walmor Oliveira de Azevedo(*) Investir no surgimento de qualificadas lideranças e fomentar a insubstituível participação cidadã constituem caminhos para ...
Leia Mais

Dom Walmor toma posse como novo presidente da CNBB

Dom Walmor Oliveira de Azevedo, arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, foi empossado hoje na presidência da Conferência Nacional dos Bispos ...
Leia Mais