class="post-template-default single single-post postid-15530 single-format-standard wp-custom-logo blog-post header-layout-default">

foto de Dom Walmor
Dom Walmor Oliveira de Azevedo*
“Fraternidade e diálogo, compromisso de amor”, tema da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2021 (CFE-2021), desafio e meta exigentes no horizonte de todos os cristãos, oportuna interpelação para o percurso do tempo da Quaresma. A Igreja Católica no Brasil, há quase 60 anos, desde 1964, promove a Campanha da Fraternidade, projetando luzes sobre a vida em sociedade. A partir dos anos 2000, algumas edições da Campanha da Fraternidade passaram a ser organizadas de modo ecumênico, reunindo as Igrejas Cristãs representadas no Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic). A realização das Campanhas da Fraternidade Ecumênicas nasceu de uma decisão soberana da instância maior da CNBB, a sua Assembleia Geral dos Bispos. Um gesto evangélico e fraterno, considerando o desejo de Jesus Mestre, que ora ao Pai pedindo que todos sejam um. O Ecumenismo é uma tarefa missionária, exigente e inegociável, que a Igreja Católica recebeu do Concílio Vaticano II. O compromisso é investir na restauração da unidade entre todos os cristãos, pois o Senhor Jesus fundou apenas uma Igreja.

Não se pode descurar, em nome de uma fidelidade inconsistente, ou por posturas que revelam rigidez, a realidade da fé cristã. Somos todos discípulos do mesmo Mestre e Senhor, embora, não raramente, os caminhos diferentes que são tomados levem pessoas a agirem como se o próprio Cristo estivesse dividido. Justamente por existirem diferentes caminhos e perspectivas a respeito da fé, é preciso investir no diálogo e na aproximação fraterna. Isto não significa negociar a verdade da própria fé, mas, ao contrário, é abrir-se à superação de divisões que contradizem a vontade de Cristo. As divisões entre os cristãos representam um escândalo para o mundo, como afirma o Concílio Vaticano II. Prejudica o anúncio do Evangelho a toda criatura, comprometendo a conquista da unidade. Consequentemente, as divisões atrapalham o cultivo dos valores do Reino de Deus na sociedade. A realidade brasileira, que reúne tantos cristãos, mas vergonhosamente é ferida pela desigualdade social – contramão dos valores do Evangelho – comprova os males da divisão entre os que professam a fé em Jesus. Evidencia que é preciso percorrer longo caminho de conversão para edificar a justiça, a paz e a solidariedade.

A luz forte e interpelante do tempo quaresmal deve ser projetada sobre um mundo fechado e em sombras, para contribuir com a geração de um “mundo aberto”, conforme pede o Papa Francisco na sua Carta Encíclica Fratelli Tutti. A construção dessa nova realidade aberta inclui o tratamento do contexto sociopolítico e cultural altamente comprometido, mobilizando diferentes leituras e interpretações, a partir de variados lugares, sem jamais negociar os princípios inegociáveis da doutrina da fé. Esses princípios exigem autenticidade do testemunho evangélico, sem subjetivismos narcisistas, ódios, notícias falsas e ataques na contramão da caridade cristã. Assim, a delicadeza de Deus pela oportunidade da Quaresma é mais do que simplesmente ritos celebrados. Trata-se de oportunidade para renovar o coração a partir do amor de Deus. Para isso, é importante buscar adequada compreensão da realidade, sem misturar conceitos, sem se julgar “dono da verdade”.

Devem ser buscados entendimentos à luz da fé, mas sem promover entrincheiramentos que afrontam a unidade. A unidade é o desejo do Mestre dos discípulos. A luz luzente do tempo quaresmal, para quem escancara as portas de sua interioridade, é o caminho para corrigir os descompassos de escritos, pronunciamentos e posturas que rompem com a unidade. Verdadeiramente vive a Quaresma quem aceita o convite para intensa reflexão e revisão da própria vida. Um exercício a ser vivido na presença de Jesus. Sublinha amorosamente o Papa Francisco que o Senhor Jesus nos convida a caminhar com Ele pelo deserto rumo à vitória pascal sobre o pecado e a morte, fazendo-se peregrino conosco, especialmente nestes tempos difíceis de pandemia. Cristo é a única fonte da paz, e somente Ele pode fazer e refazer a unidade entre os que estão divididos. Outra direção, a que alimenta divisões, com gestos e palavras, escolhas e atitudes, sinaliza ação diabólica.

Para além das desafiadoras diferenças, é preciso investir no diálogo como compromisso de amor, e sonhar com uma sociedade ao sabor do Evangelho de Jesus, fazendo das diferenças uma riqueza. Lembra o Papa Francisco, em mensagem aos irmãos e irmãs brasileiros sobre a Campanha da Fraternidade Ecumênica de 2021: os fiéis são convidados a escutar o outro e, assim, superar os obstáculos de um mundo que é muitas vezes surdo, com a disposição ao diálogo pelo estabelecimento do paradigma de uma atitude receptiva. Essa atitude, diz o Papa Francisco, é de quem supera o narcisismo e acolhe o outro, sobre os alicerces da cultura do diálogo. Nesta cultura, Jesus se faz presente, conforme ensina o lema da Campanha – “Ele é a nossa paz: do que era dividido fez uma unidade”. Eis o horizonte da fidelidade, da ortodoxia e da ortopraxia dos cristãos, na promoção do diálogo como compromisso de amor. Seja aberto o coração ao companheiro de estrada, sem medos e desconfianças, para se encontrar a paz no rosto do único Deus. Todos reconheçam esse motivo de esperança indicado pelo Papa Francisco: a realização, pela quinta vez, da Campanha da Fraternidade pelo Conselho Nacional de Igrejas Cristãs (Conic), contribuição dos cristãos para que todos possam exercitar a fraternidade e o diálogo, compromisso de amor.
*Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB)
Outros artigos do autor:

Artigo: Diálogo, o compromisso

Dom Walmor Oliveira de Azevedo* “Fraternidade e diálogo, compromisso de amor”, tema da Campanha da Fraternidade Ecumênica 2021 (CFE-2021), desafio ...
Leia Mais

Artigo: Um século de missão e fé

Dom Walmor Oliveira de Azevedo* A jovem Igreja, Arquidiocese de Belo Horizonte, celebra um século de missão e fé. O ...
Leia Mais

Artigo: Curar o tecido interior

Dom Walmor Oliveira de Azevedo* A sociedade, cotidianamente, se contamina por polêmicas, que geram enorme desgaste emocional e desperdício de ...
Leia Mais

Artigo: Sábios e loucos

Dom Walmor Oliveira de Azevedo* A sabedoria proverbial popular traz referência muito adequada para reflexões sobre o momento atual quando ...
Leia Mais

Artigo: Saber cuidar

Dom Walmor Oliveira de Azevedo* O Papa Francisco, em sua mensagem dedicada ao Dia Mundial da Paz, faz importante indicação ...
Leia Mais

Artigo: Vulnerabilidade e força

Dom Walmor Oliveira de Azevedo* Aproxima-se o Natal, um Natal diferente, que será vivido em circunstância singular, pois o mundo, ...
Leia Mais

Artigo: Eleições e cidadania

Dom Walmor Oliveira de Azevedo* O Papa Francisco, na Carta Encíclica Fratelli Tutti, fala da “política melhor” – a que ...
Leia Mais

Artigo: O voto nas eleições

Dom Walmor Oliveira de Azevedo(*) O sentido da democracia e a responsabilidade individual na definição do voto, na liberdade de ...
Leia Mais

Artigo: ‘A política necessária’

Dom Walmor Oliveira de Azevedo(*) Investir no surgimento de qualificadas lideranças e fomentar a insubstituível participação cidadã constituem caminhos para ...
Leia Mais

Dom Walmor toma posse como novo presidente da CNBB

Dom Walmor Oliveira de Azevedo, arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, foi empossado hoje na presidência da Conferência Nacional dos Bispos ...
Leia Mais