Barão de Cocais articula expansão da mina do Baú

  

O prefeito de Barão de Cocais, Décio Geraldo dos Santos, tenta destravar junto aos órgãos ambientais, o licenciamento para a expansão da Mina do Baú, em Barão de Cocais, operada pela mineradora MR. A empresa busca as licenças právias (LP) e de instalação (LI) para aumentar sua produção, mas os procedimentos estão paralisados desde 2015.
Na terça-feira, dia 15 de janeiro, o prefeito Décio Santos e os representantes da mineradora MR se reuniram com o superintendente do Ibama em Minas Gerais, Júlio César Grilo, . Segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura de Barão de Cocais, o prefeito buscou informações sobre o andamento do processo e solicitou celeridade na liberação da licença ambiental, pois a ampliação representaria mais uma opção de aumento na arrecadação de Barão de Cocais e na geração de empregos.
A empresa MR arrendou a mina do Baú (que pertence a Vale, em dezembro de 2014, com contrato de 13 anos. No ano de 2015, a Mineradora MR entrou com o pedido de licenças prévias, a instalação da mina do Baú, junto aos órgãos ambientais, para aumentar a sua produção em Barão de Cocais. Atualmente a MR tem a liberação para extrair 300 mil toneladas de minério de ferro por ano, mas quer subir essa operação para cerca de 4,5 milhões de toneladas de minério de ferro por ano. O prazo legal para análise do processo, no entanto, venceu em 2016 e desde então não há previsões para a liberação da licença ambiental.
O principal argumento dado pelo prefeito Décio Santos, é que a delonga dificulta a liberação ambiental e por consequência a geração de emprego e renda para o município, que vive forte crise financeira, desde o fechamento da mina de Gongo Sôco, da mineradora Vale, e criando o problema da falta de dinheiro. De acordo com a MR, com a expansão da mina do Baú, espera-se que sejam gerados cerca de 450 empregos, sendo 200 empregados na mineradora e 250 empregos terceirizados, além de 1.350 postos de trabalho indiretos.
*Leonel Marques

Comentário