Foto decorativa de queijo

A China abriu mercado para os produtos lácteos brasileiros, segundo anúncio feito pela ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) nesta terça-feira (23). Os chineses habilitaram 24 estabelecimentos brasileiros para exportação de produtos como leite em pó e queijos.

A ministra destacou que a abertura do mercado irá impulsionar a cadeia produtiva do leite. “Acho que é uma notícia excepcional para o setor leiteiro que passa por um momento muito difícil, sem esperança. E isso traz esperança para a indústria de leite”, comemorou.

Atualmente, há 1,2 milhão de pequenos produtores de leite no Brasil. “Fiquei muito feliz e gostaria de passar essa boa notícia para os produtores brasileiros, que estão vivendo um momento difícil, acabaram de perder R$ 0,30 no litro de leite, e agora vão poder ter a perspectiva. É claro que não é para amanhã, mas é uma abertura excelente para o Brasil”.

A certificação estava acordada com a China desde 2007, mas não havia nenhuma planta brasileira habilitada a exportar. Na viagem que fez ao país em maio, o assunto foi uma das prioridades da ministra. O Brasil produz 600 mil toneladas de leite em pó. Os chineses, maiores importadores de lácteos do mundo, compram 800 mil de toneladas do produto.

Antes, em abril deste ano, o ministério havia encaminhado a lista dos 24 estabelecimentos ao país asiático. Entre os produtos que poderão ser exportados estão não fluidos, como leite em pó, queijos e leite condensado. “Queijos brasileiros poderão ser exportados e, com isso, regulamentar o mercado de leite brasileiro”, ressaltou Tereza Cristina.

Com a habilitação dos estabelecimentos, a expectativa do setor é exportar US$ 4,5 milhões em produtos lácteos, como queijos e leite em pó, estima a Viva Lácteos – Associação Brasileira de Laticínios.

Em 2018, os chineses importaram 108 mil toneladas em queijos, com um crescimento médio anual de 13% nos últimos cinco anos.

O setor lácteo brasileiro exportou, em 2018, para mais de 50 destinos. Antes da abertura do mercado chinês, o setor já vinha investindo no ingresso dos produtos na China, por meio da participação em feiras.