O compositor e cantor cocaiense Makely Ka acaba de acertar gravações de suas dez canções inéditas com um dos fundadores do Clube de Esquina , o compositor e cantor belorizontino Leo Borges, parceiro de Milton Nascimento. Ainda, está preparando o lançamento de dois discos, um de canções e um instrumental, só com violas. Mas, o artista cocaiense está escrevendo dois livros, compondo as trilhas sonoras de um filme sobre o cineasta baiano Geraldo Sarno e de um espetáculo, produzindo o disco da cantora Maísa Moura, que será lançado em abril. Também Makely Ka está organizando uma turnês por quatro países da Europa. Na sexta-feira, dia 6, ele se apresentou no palco da Casa Outono, para apresentar as canções de “Triste Entrópico”, um de seus novos discos. Esteve no palco com Makely Ka, o violonista Gustavo Souza, que tem o acompanhado sempre. Entre eles, esteve a cantora Maísa Moura, o contrabaxista Rodrigo Quintela, a batista Rosa Antuña, mulher de Makely Ka. Junto das músicas inéditas, foram apresentadas algumas faixas de “Cavalo Motor”, seu disco mais recente, de 2015. No dia 27 de março Makely Ka, estará no palco do Teatro Assembleia Legislativa de Minas Gerais, em BH, com o show “Rio Aberto”, em que ele toca viola caipira, viola dinâmica e craviola. “Aprendi uma afinação usada pelos violeiros do sertão mineiro e exploro isso nessas músicas”, detalha o compositor e cantor Makely Ka em uma de suas visitas à terra natal, Barão de Cocais, onde residem seus pais, a professora aposentada Neuza Antunes, ex-diretora da Escola Estadual José Maria de Morais e fazendeiro piauiense José Soares. Makely Ka é neto do comerciante conhecido na cidade, Chiquito Antunes, já falecido.