]Líderes de diversos partidos anunciaram que vão apresentar requerimento de convocação do ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, para que ele explique nota divulgada sexta-feira (22) na qual alerta para “consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional” caso o celular do presidente Jair Bolsonaro seja apreendido, conforme pedido do Supremo Tributal Federal (STF).

A líder do PCdoB da Câmara, deputada Perpétua Almeida (PCdoB-AC), avaliou que o ministro fez ameaças por meio da nota e quer que Heleno preste esclarecimentos.

A líder do Psol, deputada Fernanda Melchionna (Psol-RS), afirmou que são “tristes tempos em que um ministro ameaça de golpe um país por meio de nota oficial”. Em suas redes sociais, a deputada também defende a responsabilidade histórica da classe política de contrapor esse movimento.

O líder do PT, deputado Enio Verri (PT-PR), fez um apelo aos Poderes da República para que não se calem “diante da ostensiva ameaça à democracia, produzida pelo general Heleno”.

O líder da oposição, deputado André Figueiredo (PDT-CE), afirmou que a nota mostra o pouco apreço de Heleno “pela responsabilidade em resguardar a estabilidade democrática”. “Ameaças explícitas de desdobramentos imprevisíveis vindas de um ministro precisam ser devidamente apuradas e condenadas”, publicou o deputado, em suas redes sociais.

Ex-apoiadora do governo, a líder do PSL, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), considerou a nota “uma clara ameaça do comandante do GSI”. “Quais seriam as consequências imprevisíveis, general Heleno? Vão desengavetar aquele ato institucional que dorme há meses na gaveta?”, indagou a deputada.

Representação
O líder do PSB na Câmara, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), anunciou em nota que vai representar contra o ministro Augusto Heleno na Procuradoria-Geral da República. A ação, segundo Molon, será com base na Lei de Segurança Nacional.

O líder vê com imensa preocupação que representantes do Poder Executivo estejam usando seus cargos para “ameaçar e intimidar os demais poderes da República, em especial o Poder Judiciário, sem qualquer apreço à democracia”.

“A ameaça de golpe feita pelo general Heleno é um crime contra a segurança nacional. A democracia brasileira não pode se curvar neste momento, sob o risco de cruzarmos a última barreira que distingue a nossa democracia de um regime totalitário. É preciso frear os arroubos autoritários do governo Bolsonaro”, diz a nota do parlamentar.
Agência Câmara de Notícias