Foto ilustrativa, área portuáriaO leilão de três áreas portuárias, realizado na manhã desta terça-feira (13), na B3, em São Paulo, renderam R$ 148,5 milhões de reais em outorga. Qualificados no PPI/Casa Civil, os empreendimentos estão localizados no Porto de Santos, em São Paulo, e no Porto de Paranaguá, no Paraná.

Do valor total arrecadado, R$ 37,125 milhões serão pagos à vista, na assinatura do contrato, que deve ocorrer em até 120 dias. O restante será pago em cinco parcelas anuais. O total de investimentos previstos nos três terminais é de aproximadamente R$ 420 milhões.

Segundo a Secretária Especial do PPI, Martha Seillier, por conta da cifra alta em investimentos, eram esperadas propostas mais modestas, porém os valores surpreenderam. “Saímos muito satisfeitos do leilão. O governo estava disposto a receber lances mais baixos e isso não aconteceu. Os R$ 148,5 milhões demonstram o apetite por esse setor, a concorrência por esses terminais e a confiança da economia brasileira”, disse Seillier.

A Diretora de Portos do PPI, Ana Salles, comemorou o sucesso deste e dos outros leilões de áreas portuárias realizados em 2019 com o apoio do PP/Casa Civil. “Já são treze arrendamentos portuários licitados este ano. Resultado de muito trabalho do PPI, da Secretaria Nacional de Portos e Transportes Aquaviários (SNTPV/Minfra), do Ministério da Infraestrutura, Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ) e Empresa de Planejamento e Logística (EPL)”, afirmou.

Vencedores

A Hidrovias do Brasil venceu a disputa pela área STS20 no Porto de Santos, com um lance de R$ 112,5 milhões. A empresa ganhou o direito de exploração de três armazéns interligados por esteiras ao cais, em um total de 29,3 mil m² para movimentação de fertilizantes e sal durante 25 anos. A previsão de investimentos é de cerca de R$ 219,3 milhões.

A outra área no porto santista, STS13A, foi arrematada pela Aba Infraestrutura e Logística por R$ 35 milhões. O espaço, com 38,4 mil m², é destinado à movimentação de líquidos, como produtos químicos, etanol e derivados de petróleo. A estimativa do governo é que sejam feitos R$ 110,7 milhões em investimentos.

A Klabin S/A ficou com a área localizada no Porto de Paranaguá (PR) destinada à movimentação de carga geral (celulose), com um lance de R$ 1 milhão. O terminal tem 27.530 m² com conexões viárias e ferroviárias e, após os investimentos, poderá atingir a capacidade de movimentar 1,2 milhão de toneladas por ano.