Foto de vista parcial do sítio

Trinta novos sítios de pinturas e gravuras rupestres foram descobertos no município de Serranópolis (GO), localizado na região Sudoeste do Estado de Goiás. A descoberta é resultado de ações de conservação realizadas em dez sítios de abrigo do complexo arqueológico do local, contratadas pela Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional no Estado de Goiás (Iphan-GO). No total, foram investidos pelo Iphan quase R$ 193 mil.

As atividades foram voltadas a preservação dos sítios com pinturas e gravuras rupestres que, a partir de agora, também passam a oferecer mais segurança às atividades turísticas, educacionais e de pesquisa.

Os trabalhos consistiram na retirada da vegetação, de pisos e paredes dos abrigos, limpeza do acúmulo de massa vegetal e remoção de microfaunas, como cupins, ninhos de formigas, caixas de marimbondos e colmeias de abelhas, que foram transportadas para uma área de preservação. Além disso, foram feitos testes químicos em pequenos espaços sem pinturas para limpeza de pichações, fuligem e trilhas de cupins.

Os serviços foram realizados no segundo semestre de 2019 e tiveram como objetivo frear o processo de degradação e minimizar os impactos sobre o conjunto de arte rupestre.

Trabalharam na ação um grupo formado por quatro arqueólogos, um geoarqueólogo, três biólogos, um engenheiro ambiental, um apicultor e três guias turísticos da região, que também tiveram o acompanhamento da equipe de arqueologia do Iphan-GO.

De acordo com o Iphan, o Complexo Arqueológico de Serranópolis, mais especificamente os conjuntos de abrigos sob rocha, compõe um significativo patrimônio arqueológico e ambiental do Estado de Goiás, tanto por sua importância científica relacionada à ocupação do território goiano quanto por sua beleza cênica. Desde 1970, é referência na história do povoamento do cerrado brasileiro, com datações de 11 mil anos.