Maia cobra punição de assassinos de João Alberto

  

foto de Rodrigo Maia

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), cobrou “o peso da lei” para punir quem promove o ódio e o racismo. Ele prestou solidariedade à família e aos amigos de João Alberto Silveira Freitas, um homem negro de 40 anos, morto após ser espancado por seguranças da rede de supermercados Carrefour em Porto Alegre (RS).

“Em nome da Câmara dos Deputados, envio meus sentimentos à família e aos amigos do João Alberto Silveira Freitas. A cultura do ódio e do racismo deve ser combatida na origem, e todo peso da lei deve ser usado para punir quem promove o ódio e o racismo”, disse o presidente.

No Dia da Consciência Negra, Maia ressaltou que a luta pela igualdade e contra o racismo é permanente. Para o presidente da Câmara, a data traz uma reflexão necessária de que igualdade e representatividade precisam ser diárias. Rodrigo Maia postou os comentários em suas redes sociais.

“Em tempos de intolerância, o Dia da Consciência Negra traz uma reflexa~o necessária a todos no´s. A data de hoje tem que ser vivida e lembrada todos os dias para na~o esquecermos nunca que a luta pela igualdade e contra o racismo e´ permanente. Igualdade e representatividade precisam ser dia´rias, a todos nós”, afirmou Rodrigo Maia.
Agência Câmara

O caso
Na noite de quinta-feira (19), véspera do Dia da Consciência Negra, celebrado nesta sexta-feira (20), um homem negro, de 40 anos de idade, foi espancado no supermercado Carrefour, em um bairro da zona norte de Porto Alegre. Os agressores, um segurança do local e um policial militar temporário fora de serviço (exerce apenas atividades administrativas e de guarda), foram presos em flagrante e podem ser enquadrados no crime de homicídio doloso, quando há intenção de matar.

Tudo aconteceu quando a vítima, identificada como João Alberto Silveira Freitas, teria discutido com a caixa do estabelecimento. Ele foi conduzido pelo segurança da loja até o estacionamento onde começaram as agressões. Um vídeo que mostra a cena circula nas redes sociais. O segurança está detido no Palácio da Polícia de Porto Alegre. Já o policial foi encaminhado para um presídio da Brigada Militar (BM).