Foto de cesta de cebola

No mês de maio, houve forte alta nas cotações do produto no comércio de hortigranjeiros do país devido ao encerramento da safra de Santa Catarina, que reduziu a quantidade enviada aos mercados. Somado a isso, o atraso na saída da cebola da região Nordeste e o fato das safras em Goiás (Cristalina) e no Triângulo Mineiro estarem ainda em seu início, não sendo suficientes para reduzir os preços desta cultura. Mas, a partir deste mês, o abastecimento da cebola é feito por várias regiões produtoras no país, com isso é esperado o aumento da oferta e a queda nos preços.

Mesmo alcançando níveis histórico, o preço da cebola pode começar a reduzir a partir de junho, aponta boletim do Prohort.

As análises são do 6º Boletim Prohort, divulgado nesta quinta-feira (18) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). O estudo destaca ainda que as importações do bulbo tiveram grande incremento no mês de maio, indicando aumento no consumo. O volume passou de 48,4 mil toneladas para 74,3 mil t, ou seja, 53% de aumento. Na comparação com o mesmo mês em 2019, a alta das importações é ainda maior, chegando a 124%.

O Prohort mostra que, além da cebola, outra hortaliça também demonstrou aumento significativo de preços nas centrais em maio: a batata chegou a subir 77% em Brasília/DF e 39% em Curitiba/PR. Nas cotações do mês, somente tomate e cenoura registraram queda, também no DF, PR, CE e outros estados.