A cidade de Barão de Cocais é uma das cidades que mais sentem o impacto da falta de repasses por parte do governo de Minas. O dados levantados no portal da Associação Mineira dos Município (AMM), apontam um débito acumulado de cerca de R$ 10,5 milhões até o dia 16 de outubro.
Conforme levantamento , este valor milionário que aumenta mês a mês, refere-se a repasses irregulares para o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), valores incompletos do Imposto Sobre Propriedade de Veículos Automotores (IPVA), Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e parcelas do Piso Mineiro de Assistência Social (Pisa) usado para manter diversos serviços sociais. O problema é que além destes recursos não repassados à Prefeitura de Barão de Cocais, as finanças do Executivo Municipal patinam desde 2015, com a brusca queda da receita devido ao fim da mineração feita pela mineradora Vale na mina do Gongo Sôco.
Para minimizar o problema, a Prefeitura reduziu contratados, congelou salários, parcelando os pagamentos aos servidores em três vezes, e proibiu horas extras, além de decretar calamidade financeira na Prefeitura.
*Leonel Marques

Comentário