Cobrança foi o principal motivo de queixas

Foo ilustrativa, telefonista

As reclamações contra operadoras de telecomunicações encaminhadas à Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) em junho de 2019 caíram 17,2% em relação a maio deste ano, segundo dados divulgados pelo órgão nesta segunda, dia 12. Foram recebidas 218.356 reclamações em junho nos canais de atendimento da Agência.

Os consumidores apresentaram suas reclamações pela central telefônica do órgão regulador (55,7%) – acessível pelo 1331 –, pela página online (30,7%), pelo aplicativo móvel “Anatel Consumidor” (13,4%) e pelo atendimento pessoal nos escritórios da Anatel em todos os estados e no Distrito Federal (0,3%).

Todos os principais serviços de telecomunicações acompanhados pela Anatel apresentaram redução em junho de 2019. A telefonia fixa com 44.686 reclamações em junho registrou queda de 22,1% em relação a maio, seguida da telefonia móvel pós-paga com 76.340 reclamações, menos 17,6%, da TV por Assinatura com 26.548 reclamações, menos 15,3%, da banda larga fixa com 41.867 reclamações, menos 15,1%, e da telefonia móvel pré-paga com 27.823 reclamações, menos 12,4%.

Em junho de 2019, a operadora TIM foi o grupo mais reclamado pelos consumidores na telefonia móvel pós-paga (40,2%) e na telefonia móvel pré-paga (48,7%). Na TV por assinatura o grupo mais reclamado foi a Claro/NET com 46,6% das queixas, na telefonia fixa foi a Oi com 48,4% e na banda larga fixa foi a Vivo com 27,4%.

Cobrança foi o principal motivo de queixas registradas na Anatel contra prestadoras de telecomunicações: 51,1% das queixas na TV por Assinatura, 45,5% na telefonia móvel pós-paga e 41,8% na telefonia fixa. Na banda larga fixa o principal motivo das reclamações foi “qualidade, funcionamento e reparo”, 33,7% do total, e na telefonia móvel pré-paga o maior motivo de reclamações foi relativo a crédito, 31,0%.