São Miguel das Missões, no Rio Grande do Sul, recebe hje (11) ministros da Cultura do Mercosul, bloco formado por Brasil, Bolívia, Paraguai, Uruguai e Argentina. A comitiva internacional está no Brasil em razão da 46ª Reunião de Ministros de Cultura do Mercosul, que será realizada terça-feira (12), em Porto Alegre.

Em Missões, serão realizadas a cerimônia de certificação das Missões Jesuíticas Guaranis, Moxos e Chiquitos como Patrimônio Cultural do Mercosul, o lançamento do Dossiê da Tava e a abertura da Exposição 7 Povos: Retratos de um Território. O evento é promovido pelo Ministério da Cidadania, por meio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

A entrega do certificado é a oficialização da região das Missões como Patrimônio Cultural do Mercosul. O local é um expressivo representante da cultura e identidade do Rio Grande do Sul. Há mais de 80 anos o Iphan atua na região com uma série de ações que se iniciam com o tombamento do Sítio Histórico de São Miguel Arcanjo, ainda em 1938.

A região missioneira é uma das localidades que integram ações do Governo Federal com foco no desenvolvimento e melhoria da qualidade das cidades históricas brasileiras, por meio de seu Patrimônio Cultural. Em fevereiro deste ano, foi autorizado início das obras de requalificação urbanística do entorno do sítio.

O ministro Osmar Terra afirma que a iniciativa será um grande propulsor do turismo religioso e cultural. “Vamos transformar essa região num atrativo turístico, com mais infraestrutura para receber visitantes de vários países”, destaca Terra.

Entre as melhorias previstas, estão um novo pavimento de pedra, ciclovias com pavimento rígido, calçadas com pavimento em concreto e telas de aço, acessibilidade, trilhas, paisagismo e a requalificação de três praças. A melhoria da infraestrutura urbana do entorno do sítio tombado irá, consequentemente, melhorar as condições de habitabilidade, drenagem e tráfego.

Já o Dossiê da Tava reúne os estudos que levaram este bem ao reconhecimento do Mercosul. A Tava é um lugar de referência para a memória e a identidade do povo Guarani. Construída e habitada por seus ancestrais a pedido de sua divindade, Nhanderu, o lugar sagrado foi registrado pelo Iphan como Patrimônio Cultural do Brasil e, no ano passado, também reconhecido como Patrimônio Cultural do Mercosul.

O reconhecimento foi anunciado no XVII Encontro da Comissão do Patrimônio Cultural do Mercosul, realizado em outubro de 2018 no Uruguai, e agora será entregue o dossiê com os estudos que levaram a Tava ao título. A titulação significa o reconhecimento da presença ancestral deste povo no território Yvy Rupá, organizado em uma grande rede étnica, formada por aldeias, caminhos e locais sagrados que hoje integram o Brasil, a Argentina e o Paraguai.