Foto do prédio construído na Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados/MS)

O moderno Laboratório de Análises Ambientais da Embrapa que permite realizar cientificamente o monitoramento de águas superficiais em Mato Grosso do Sul será inaugurado na sexta-feira, 28 de junho, a partir das 9hs, na Embrapa Agropecuária Oeste (Dourados, MS). O monitoramento de águas superficiais em Mato Grosso do Sul, busca identificar ou não a presença de 55 diferentes tipos de agrotóxicos nas principais bacias hidrográficas do estado.

O novo laboratório terá como função monitorar a qualidade da água das bacias hidrográficas em vários rios do estado, além da água potável de alguns municípios. O Laboratório é resultado de um investimento de mais de R$ 3 milhões usados para a obra de construção física do prédio, aquisição de novos e modernos equipamentos, além de custeio para pagamento dos padrões analíticos. A parceria viabilizou o financiamento do montante total que contou com recursos da Embrapa (R$ 1,7 milhão), do Ministério Público Federal/MPF (R$ 65 mil), do Ministério Público do Trabalho/MPT (R$ 397 mil), do Ministério Público de Mato Grosso do Sul/MPMS (R$ 392 mil) e da Prefeitura Municipal de Dourados, por meio do Instituto do Meio Ambiente de Dourados/IMAM (R$ 452 mil).

“Essa parceria é a concretização de esforços coletivos, pois desde o início da cooperação sabíamos a relevância de se obter dados científicos com qualidade assegurada e que pudesse subsidiar o monitoramento de águas superficiais no estado. Em função desses investimentos, agora além da possibilidade de uma análise qualitativa e quantitativa mais aprofundada, o Laboratório vai contribuir com agilidade e segurança ao processo de monitoramento das águas dos rios de MS”, comemora o pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste, Rômulo Penna Scorza Júnior.

O Laboratório – O novo prédio foi construído na Embrapa, próximo às instalações do moderno Laboratório de Piscicultura da Unidade. Ele possuí 361 m², conta com salas para recepção, acondicionamento e análise de amostras e tem capacidade de análise de 200 amostras mensais. Além disso, todas as atividades analíticas serão realizadas de acordo com protocolos de Boas Práticas de Laboratório (BPL), que são baseado na normativa ISO 17.025, que orienta o Sistema Embrapa de Qualidade e em consonância com a legislação.

Por meio dos relatórios anuais com resultado das análises desenvolvidas pelo Laboratório, as instituições públicas de fiscalização terão análises técnicas sobre possíveis contaminações com agrotóxicos. “Além disso, a Embrapa pretende utilizar as informações coletadas para fins científicos e desenvolvimento de procedimentos e tecnologias sustentáveis que contribuam com a mitigação de possíveis impactos ambientais, caso a presença de agrotóxicos nas águas superficiais do estado venha a ser confirmada”, explica Rômulo.